A língua: o goianés

O goianés é uma forma dialectal do galego que só se fala na pequena paróquia de Goián, no município de Tomiño, e que já foi o modo de comunicação dominante nestas terras.

Do goianés pouco é conhecido. A peculiar ditongação que caracteriza este discurso, as voltas linguísticas e os lexemas únicos que apresenta não se encontram em nenhum outro lugar dentro do sistema linguístico galego. Também não existe nenhuma outra variedade da língua com uma localização espacial e estruturas tão reconhecíveis e estáveis como no seu caso.

O goianés caracteriza-se pela ditongação da “é” aberta tónica, pelo que converte o “velho” em “vielho”, a “fiesta” em “fiasta” ou o “meu” em “miou”. Ainda que seja a única modalidade dialetal da Galiza que apresenta uma localização espacial com limites reconhecíveis e estáveis, a sua sobrevivência basicamente oral impede a existência de textos onde possa ser estudada, o que dificulta a sua conservação. Portanto, cada orador é uma relíquia.

Origem

O historiador Manuel Fernández sugeriu que a possível origem do goianés foi uma suposta colonização deste território por pessoas das Astúrias ou León, durante os primeiros séculos da Reconquista. Estudos posteriores refutaram estas premissas, apostando numa origem espontânea e local. Hoje, o goianés ainda é um mistério que provavelmente nunca poderá ser esclarecido e há poucas, muito poucas pessoas que o guardam e usam na sua vida diária.

Clementina Ozores, habitante de Tomiño e um dos nossos Tesouros Humanos Vivos, diz que sempre falou goianés. Ela ainda o fala com os poucos vizinhos que o conhecem como ela. Consciente de sua fragilidade, Clementina detalha orgulhosamente o que sabe bem ser traços únicos, pequenas joias linguísticas prestes a desaparecer.

A língua portuguesa, apesar dos processos isoglossas, tem preservado desde o século XVI uma unidade estrutural significativa, por exemplo, em relação a outras línguas europeias. É de referir o processo de influência moçárabe sofrido pela língua portuguesa, ou as formas dialetais de Coimbra e Lisboa e, claro, as grandes transformações provocadas pelo humanismo renascentista.

No caso do galego, a influência do castelhano colocou esta língua à margem durante séculos, tanto no campo da educação como no da administração pública. No entanto, os arcaísmos ficaram nos discursos rústicos, onde a influência da administração, da escola e dos costumes urbanos, tanto na Galiza como em Portugal, foi praticamente nulos, daí o goianés ou também o caso do castrejo de Castro Laboreiro com a sua “sonoridade galega”.

Os Tesouros da língua: o goianés