reunion AECT para solicitar que prioricen as rexións transfronteirizas para os fondos europeos

O AECT do Minho alega perante a Xunta e a CCDR-N que os territórios do Minho afetados pelo encerramento da fronteira têm prioridade para receber fundos europeus do ‘POCTEP’ e da ‘Next Generation’

O AECT do Rio Minho apelou hoje à Xunta de Galicia e à CCDR-N de Portugal para que os municípios do território do Minho afectados pelo encerramento da fronteira com Portugal “têm prioridade” no recebimento de fundos europeus. O grupo insiste que os danos económicos que a zona está a sofrer devem ser tidos em conta na distribuição dos fundos que está a gerir atualmente: os da ‘Next Generation’ e os do próximo quadro comunitário, do programa POCTEP 2021-2027, em que tanto a Diretoria quanto a CCDR-N possuem capacidade de gestão.

A entidade afirma que o governo galego tem capacidade para conseguir alocar itens “concretos e específicos” a áreas que sofreram o ‘efeito fronteira’ somado ao da COVID

reunião do AECT para solicitar que as regiões transfronteiriças sejam priorizadas para os fundos europeus

O AECT do Rio Minho fez esta afirmação hoje num fórum convocado pelo governo galego e pela Comissão para a Coordenação e Desenvolvimento da Região Norte de Portugal (CCDR-N) – o seu equivalente português – no qual os três agrupamentos europeus de cooperação territorial existentes (AECT) participou na Galiza, o AECT Galiza-Norte de Portugal gerido pelas duas entidades (Xunta e CCDR-N), e os da fronteira, o AECT Verín Chaves e o AECT Rio Minho. A reunião contou com a presença dos executivos e vice-presidente do AECT Alfonso Rueda e do Diretor-Geral das Relações Externas e UE, Jesús Gamallo, com um único tema em cima da mesa: o atual encerramento das fronteiras e o horizonte dos fundos europeus.

O Vice-Presidente do AECT Rio Minho e Adjunto para a Cooperação Transfronteiriça, Uxío Benítez, enfatizou mais uma vez a ideia de que os municípios fronteiriços devem ser compensados ​​pelo impacto econômico ‘extra’ que o fechamento das etapas está acarretando, além de o que acumula empresas, trabalhadores e autônomos pelo COVID. Recordou que o estudo realizado pola Universidade de Vigo e liderado pelo professor Xavier Cobas aponta que existe um ‘efeito fronteira’ que se estima em 12% no comércio e 19% na hotelaria mais do que o já criado pelo pandemia em outros territórios. “Esse ‘efeito de fronteira’ foi criado por decisões políticas, e agora que existem fundos econômicos europeus, é preciso levar em conta para que os territórios que sofreram duplamente tenham itens específicos para revitalizar e recuperar sua economia”, disse Benitez. que este é um pedido que o AECT levará a diferentes fóruns e que foi apresentado ao Conselho porque está em debate como será a gestão do POCTEP 2021-2027 do qual o Conselho e a CCDN-R têm capacidade de gestão .

Ele insiste que os recursos devem ir para projetos em municípios transfronteiriços e não para aqueles que nem sequer fazem fronteira com a linha.

A matiz importante, sublinhou Benítez, é que os esforços económicos “focam-se ainda mais no território fronteiriço” e não em territórios tão extensos como os que têm sido habituais para estes programas, que agora atingem toda a Galiza e quase todo Portugal excepto Lisboa. “Esses fundos devem ser usados ​​para compensar os territórios que sofreram danos econômicos por não poderem se relacionar com os do lado porque há uma fronteira. Sempre houve prejuízos econômicos históricos, por isso nasceram os fundos transfronteiriços: foram criados para territórios que por centenas de anos tiveram uma fronteira que impedia o relacionamento e se desenvolveram economicamente como se não fossem da ‘raia’. Durante muitos anos estes fundos foram utilizados para muitos projetos que nada tinham a ver com a fronteira, mas acreditamos que este regresso ao encerramento das fronteiras por COVID deve trazer de volta a origem, a concepção destes fundos: abordar a fronteira como prioridade ”, insistiu o deputado.

Desde o AECT Rio Minho estão-se a desenvolver outras iniciativas pela problemática do encerramento da fronteira com Portugal. A mais recente é a criação de um registo de pessoas afetadas para reclamar possíveis indemnizações por desvios resultantes de apenas 24 horas de passagem de fronteira, horas extras, gastos com combustível, perda de clientes ou impossibilidade de atravessar a fronteira.