reclama na ponte da amizade a apertura da fronteira

O território do minho reclama na ponte da amizade a abertura da fronteira com Portugal e indemnização por danos económicos

Com uma pancarta gigante com o lema ‘ Open the border’ o território do minho reclama na põe da amizade a abertura da fronteira com Portugal no meio da põe da Amizade entre Tomiño e Vila Nova de Cerveira. Foi assim que os autarcas do território minhoto (de 26 municípios) decidiram hoje chamar a atenção para os prejuízos económicos que o território minhoto está a sofrer, tanto empresas como trabalhadores de ambos os lados, devido ao encerramento da fronteira com Portugal.

Os autarcas galegos e portugueses voltaram a protestar hoje – separadamente ao impedir a GNR e a Guarda Civil de um ato simbólico conjunto – para criticar os maus tratos a Madrid e Lisboa

O protesto de hoje contou com a presença de autarcas e outros representantes dos municípios das duas margens do rio: A Guarda, O Rosal, Tomiño, Tui, Salceda de Caselas, Salvaterra, As Neves, Arbo, Caminha, Vila Nova de Cerveira, Valença, Paredes de Coura, Monçao e Melgaço. Nesta ocasião não foi possível a realização conjunta do acto simbólico por impedimento expresso da GNR e da Guarda Civil, que não autorizaram a comitiva galega e portuguesa a juntar-se no meio da Ponte da Amizade: cada partido encenou a reclamação. “Esta ponte chama-se Amizade, muito simbólica, mas agora essa amizade é quebrada não pela vontade dos seus vizinhos, mas pelas autoridades”, criticaram os municípios.

O AECT Rio Minho insiste que “o estrago já foi feito” e pede fundos europeus do POCTEP “non se deturpen” e destinam-se a municípios fronteiriços directos

O vicedirector do AECT Rio Minho, Uxío Benítez, salientou que este é um pedido de ajuda às autoridades galegas, estatais e europeias para abrir todas as passagens fronteiriças, e também para injetar ajuda financeira para aliviar os danos causados ​​à economia de a zona por decisão dos estados espanhol e português.ados español e portugués. “O mal já está facto abram-se agora os passos ou dentro de um mês. Não nos fizeram caso nas nossas reivindicações e agora queremos que nos tenha em conta e se nos compense pelas perdas”, afirmou o nacionalista.

Estudo de impacto e medidas compensatórias

ato de protesto sob o slogan open the border

De acordo com o estudo de impacto realizado pela Universidade de Vigo para o AECT Rio Minho, os trabalhadores gastam em média 200 a 300 euros por mês em combustível nas rotundas para fazer o único passe de 24 horas (Tui-Valença) . Ainda de acordo com o referido estudo, a hotelaria da zona do Minho está a perder 19% do volume de negócios devido ao ‘efeito fronteira’ superior ao que qualquer negócio noutro local perderia devido à pandemia, tal como o comércio tem 12% mais perdas devido às margens do Minho.

Os fundos transfronteiriços têm de compensar territórios fronteiriços, não podem ser para tudo e têm de ser eficazes na orientação de fundos futuros.

Refira-se ainda que está atualmente aberto o debate sobre a orientação dos fundos transfronteiriços do Programa Operacional de Cooperação Transfronteiriça Espanha Portugal POCTEP 2021-2027, pelo que o que é necessário compensar o território pelo prejuízo econômico das decisões políticas dos Estados. É necessário habilitar fundos específicos para territórios diretamente na fronteira onde os danos econômicos dessa pandemia estão sendo maiores e garantir que esses fundos sejam alocados em áreas de faixa de fronteira e não sejam distorcidos.

A recusa de colocar controlos em todas as etapas entre os dois países para tornar o controlo sanitário eficaz obriga os trabalhadores, mais de 6.000 que se deslocam na faixa do Minho, a utilizar um ponto que funciona como um funil que é a ponte internacional de Tui-Valença , e as pessoas com salários não muito altos nesta área estão aumentando suas despesas e tempo gasto em viagens, o que significa reconciliação.

Criação de um formulário de inscrição para as pessoas afetadas

Esta situação é lamentável porque o erro de não abrir todas as etapas, com os respetivos controlos de saúde, já foi cometido no ano passado durante o anterior encerramento das fronteiras. No AECT RIO MINHO estamos convencidos de que esta é uma questão puramente efetiva, porque as pessoas que têm que passar por isso continuam. O que precisa ser feito é permitir controles nas cinco pontes internacionais e mantê-las abertas.

O AECT anunciou a criação de um registo das pessoas afetadas pelo encerramento da fronteira, que será gerido através do formulário criado para esta ação e de todos os conselhos envolvidos para proceder ao processamento de eventuais compensações.

Além disso, será apresentada uma moção padrão nos 26 municípios para exigir de todas as instituições tanto a abertura imediata das etapas quanto a compensação financeira pelo fechamento.

 

Resumo em vídeo do protesto simbólico na ponte do Amazigh entre Tomiño e Vila Nova de Cerveira